STF DECIDE SE VIGILANTES PODEM TER APOSENTADORIA ESPECIAL

Compartilhe esse conteúdo.

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) já havia julgado que o vigilante tem direito à aposentadoria especial. Contudo, o INSS recorreu da decisão, e agora a questão será decidida pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Atualmente, todos os processos judiciais sobre aposentadoria e atividade especial dos profissionais de segurança privada aguardam, suspensos, a decisão final do STF, que deve criar a jurisprudência.

O ano de 2022 começou com a confirmação de aplicabilidade da aposentadoria especial para os vigilantes. Desde o início de 2021, os direitos da categoria estão em evidência por causa do julgamento do Tema nº 1.031 pelo STJ, possibilitando a aposentadoria especial aos vigilantes. Em setembro, o STJ voltou à discussão ao julgar embargos e ratificou a tese que havia sido fixada no primeiro julgamento, registrando que a atividade deve ser considerada especial mesmo após a Reforma da Previdência.

Contingente
O Brasil tem cerca de 1,7 milhão de vigilantes cadastrados na Polícia Federal (PF). É mais que o dobro do efetivo das polícias militar, civil e federal de todos os Estados, que, juntos, somam 602 mil agentes. Do total de vigilantes aptos a exercer a função, mais da metade (51%) está formalmente inativa, segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2020. Ainda assim, o total de vigilantes empregados supera o efetivo das Forças Armadas. São 502 mil pessoas trabalhando na segurança privada, enquanto os militares do Exército, Marinha e Aeronáutica somam 380 mil pessoas.

Últimos posts

LEI DA IGUALDADE SALARIAL HOMEM E MULHER

A Lei nº 14.611/2023, também conhecida como lei da Igualdade Salarial entre homens e mulheres, foi promulgada em julho de 2023, reforçando

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *